Mobilidade Humana


Todos os anos, milhões de pessoas são obrigadas a deixar suas casas em busca de uma vida melhor. No entanto, essa promessa é muitas vezes distante e passageira, já que os governos costumam implementar leis prejudiciais que buscam restringir a mobilidade humana.

Por 30 anos, temos incidido contra políticas repressivas que prejudicam as pessoas migrantes, refugiadas, deslocadas e apátridas e demandado políticas de proteção de direitos humanos especificas a seu favor. . Representamos Jesús Velez Loor, o primeiro caso sobre os direitos dos migrantes na América Latina perante a Corte Interamericana de Direitos Humanos. Nos opusemos à apatridia na República Dominicana defendendo duas meninas que ficaram sem documentos de cidadania, o que afetou sua capacidade de estudar. Mais recentemente, fizemos campanha contra as políticas restritivas de imigração do governo Trump, desenvolvemos um plano de ação para o aumento drástico de refugiados venezuelanos e usamos precedentes legais obtidos a partir das nossas ações de litigio para defender os direitos de migrantes durante a pandemia da COVID-19.

Dos Estados Unidos à Argentina, continuamos caminhando com aquelas pessoas que são forçadas a permanecer em perpétuo movimento, exigindo – a cada passo do caminho – medidas regionais de proteção efetivas em seu favor.